Morreram dois Márcios Thomaz Bastos

Vários Márcios disputam entre si, agora, sua própria memória.
Há o Márcio advogado de grandes causas, muitas ingratas, várias perdidas. Mas todas ganham quando através delas se assegurou o contraditório, o direito de defesa, sem os quais o estado democrático não há.


Será que existem causas perdidas de antemão?

Como advogado, foi estrategista.

Definia a diretriz e o próximo lance.

Seu, e do seu adversário também.

Calculava o benefício da vitória e o controle do dano na derrota, ao mesmo tempo.
Sua especialidade foi administração dos riscos das causas arriscadas.
Mas há também o Márcio Pedro pedreiro, construtor de instituições.

Foi ativista do PT, foi liderança na democratização.
Sem ele, Nelson Jobim e José Jorge, inexistiria o Conselho Nacional de Justiça

Como interlocutor, ajudou presidentes a criar um novo Supremo pós-1988, muito mais independente.

Deu início a uma Polícia Federal feita de ousadias.

Um dos criadores do Prêmio Innovare.

Avalizou, diante de tendências de ambições nem sempre democráticas, soluções judiciais para crises políticas e éticas.
Não  buscou unanimidades em sua vida.

Elegante, foi romano e florentino.

Viveu o nem sempre discreto risco da vida. Decidiu não ser um observador. Preferiu agir. Existe maior esperança do que agir?

*artigo publicado no site da Folha de S. Paulo em 21.11.2014